MENU

Secretaria de Administração e Atendimento ao Cidadão

Secretaria de Administração e Atendimento ao Cidadão
Secretário
Silvano Borja

Biografia:

Administrador de empresas.

Lei Ordinária 4597/2013 de Torres – RS

Art. 15 A Secretaria Municipal da Administração e Atendimento ao Cidadão – SMAAC tem competência para formular as políticas e coordenar as ações voltadas:

I – ao atendimento ao cidadão;

II – à administração e ao desenvolvimento de pessoal;

III – à modernização tecnológica e inclusão digital;

IV – à execução das atividades pertinentes a atos administrativos;

V – à gestão da segurança pública.

§ 1º A Secretaria Municipal de Administração e Atendimento ao Cidadão é integrada pelas seguintes Diretorias:

I – Diretoria de Atendimento ao Cidadão;

II – Diretoria Geral de Recursos Humanos;

III – Diretoria de Gestão e Qualificação de Pessoas;

IV – Diretoria de Tecnologia e Inclusão Digital;

V – Diretoria de Atos Administrativos e Gestão do Arquivo Municipal;

VI – Diretoria de Gestão Integrada de Segurança Pública.

§ 2º À Diretoria de Atendimento ao Cidadão compete:

I – gerenciar o atendimento ao cidadão sobre assuntos relacionados com qualquer órgão da Prefeitura Municipal;

II – prestar atendimento aos cidadãos, em relação a serviços públicos estaduais ou federais que tenham sido objeto de delegação ao Município;

III – centralizar o atendimento presencial, telefônico, por Internet ou por qualquer outro meio, em relação às demandas dirigidas a qualquer órgão da Prefeitura Municipal;

IV – administrar o sistema integrado de protocolo da Prefeitura Municipal;

V – pesquisar o grau de satisfação dos cidadãos com os serviços públicos municipais;

VI – manter sistema de recepção, avaliação e implementação de melhorias sugeridas pelos cidadãos;

VII – conferir resolutividade no atendimento, instruindo os requerentes quanto a todos os requisitos a serem observados para viabilizar o exame de requerimento dirigido a órgão municipal;

VIII – implementar e gerenciar serviço de autoatendimento eletrônico.

§ 3º À Diretoria Geral de Recursos Humanos, compete:

I – planejar, administrar e executar as medidas relativas à gestão de pessoas, no que se refere aos processos de concurso público, recrutamento, seleção, nomeação, colocação, treinamento, aperfeiçoamento, avaliação e desenvolvimento de recursos humanos;

II – efetuar o exame legal dos atos relativos a pessoal e promover o seu registro, controle e publicação;

III – elaborar os atos de aposentadoria e demais atos de movimentações de pessoal;

IV – promover a concessão de vantagens previstas na legislação de pessoal;

V – administrar o Sistema Classificado de Cargos;

VI – coordenar a elaboração, expedição, distribuição e publicação de editais, portarias, bem como toda matéria funcional relativa aos servidores;

VII – manter mecanismos permanentes de controle e verificação das despesas com pessoal efetuadas pelo Município;

VIII – controlar a efetividade dos servidores públicos;

IX – elaborar folha de pagamento dos servidores públicos, bem como das providências relativas ao cumprimento das obrigações e encargos sociais decorrentes, na forma estabelecida na legislação;

X – controlar e fornecer vale-transporte aos servidores públicos, conforme disposto em lei;

XI – administrar o protocolo dos requerimentos relativos a pessoal;

XII – coordenar os serviços de vigilância, telefonia, recepção e auxiliar de serviços gerais.

§ 4º À Diretoria de Gestão e Qualificação de Pessoas compete:

I – promover cursos de treinamento destinados à valorização e capacitação dos servidores públicos municipais, objetivando a preparação dos mesmos para situações que permitam novos padrões de qualidade, produtividade e economicidade;

II – estabelecer convênios com Instituições de Ensino visando à coleta e à troca de informações, para subsídio do processo de capacitação, aperfeiçoamento e desenvolvimento profissional e individual;

III – coordenar processo de estágio probatório, zelando pelos prazos, critérios e demais diretrizes regulamentares, objetivando a organização e transparência nas avaliações e proporcionando a real identificação dos pontos a serem melhorados e o efetivo primoramento das tarefas diárias;

IV – realizar reuniões e/ou treinamentos com chefia e servidores em período de avaliação de desempenho probatório, esclarecendo os critérios definidos, proporcionando melhor integração;

V – verificar periodicamente junto às Secretarias a relação entre os cargos e as funções desempenhadas, visando a constante atualização das descrições dos cargos efetivos da Administração do Município e a correta divisão das atividades a serem desenvolvidas nos setores;

VI – analisar solicitações de mérito por titulação de acordo com legislação pertinente, buscando o alinhamento dos objetivos do curso com os da função desempenhada na Prefeitura, para proporcionar a justa remuneração pela iniciativa e aprendizado;

VII – coordenar processo de estágio curricular, com os competentes convênios celebrados entre o Município e as Instituições de Ensino, reunindo-se com os coordenadores, discutindo e levantando demanda existente;

VIII – promover e coordenar processo de contratação de estagiários;

IX – aprimorar as normas existentes e executar programas, visando ao fortalecimento do plano classificado de cargos e salários;

X – estimular o espírito de associativismo dos servidores públicos, para fins sociais e culturais;

XI – aplicar os conhecimentos de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho ao ambiente de trabalho para preservar a saúde e a integridade física dos servidores;

XII – colaborar nos projetos e na implantação de novas instalações físicas e tecnológicas na Prefeitura, utilizando os conhecimentos técnicos e médicos para adequação às condições de segurança e saúde dos servidores;

XIII – promover a realização de atividades de conscientização, educação e orientação dos servidores quanto a segurança e saúde na realização das atividades;

XIV – esclarecer e conscientizar os colaboradores sobre acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, estimulando-os em favor da prevenção;

XV – analisar e registrar em documentos específicos todos os acidentes ocorridos na Prefeitura, com ou sem vítimas e todos os casos de doença ocupacional, os fatores ambientais, as características do agente e as condições dos indivíduos portadores de doenças ocupacionais ou acidentados;

XVI – realizar perícias nos locais de trabalho para levantamento de nexo de causalidade entre ambiente e patologia, para caracterização de insalubridade e ou periculosidade;

XVII – realizar exame admissional, periódico, mudança de função, retorno ao trabalho, perícias, demissional, conforme normas legais;

XVIII – elaborar e acompanhar o programa de controle médico de saúde ocupacional e relatório anual dos exames/procedimentos realizados.

§ 5º À Diretoria de Tecnologia e Inclusão Digital compete:

I – efetuar a prospecção, aquisição, instalação, manutenção e atualização de sistemas, redes e equipamentos de informática, comunicação, controle de ponto e outros dispositivos eletrônicos que consistam nas soluções mais adequadas para ampliar a produtividade de todos os setores da Prefeitura Municipal de Torres;

II – elaborar plano estratégico de atualização tecnológica de curto e de longo prazo;

III – definir procedimentos de segurança quanto ao acesso, à utilização e à conservação das informações da Prefeitura Municipal;

IV – manter planos de contingência para as soluções críticas em processamento de dados;

V – armazenar a documentação dos sistemas e dos equipamentos;

VI – propor as medidas de otimização dos equipamentos de informática da Prefeitura;

VII – assessorar compras de equipamentos e suprimentos de informática, fornecendo especificações técnicas para otimização de compra dos mesmos;

VIII – gerar relatórios de uso dos sistemas e equipamentos;

IX – dar suporte aos usuários da rede de comunicação, observando e verificando todos os aplicativos e programas, para manutenção de rede e apoio administrativo;

X – buscar novas tecnologias que dinamizem a administração pública e reduzam custos;

XI – zelar pela preservação e guarda de qualquer aparelhagem, instrumental ou equipamento, observando sua correta utilização, para mantê-los em perfeito funcionamento.

§ 6º À Diretoria de Atos Administrativos e Gestão do Arquivo Municipal compete:

I – gerenciar a elaboração de atos administrativos no âmbito da administração pública municipal;

II – coordenar a elaboração de projetos de leis, decretos e outros atos normativos;

III – centralizar a elaboração, o controle do cumprimento e o arquivamento de todos os convênios celebrados pelo Município ou por qualquer órgão da Prefeitura Municipal;

IV – manter o arquivo centralizado dos atos administrativos;

V – promover a publicidade dos atos normativos, inclusive pela Internet;

VI – expedir normas de padronização em relação às correspondências expedidas e recebidas pelos órgãos da administração pública municipal;

VII – promover a impressão e a publicação de coletâneas de legislação, atos, pareceres e demais documentos de interesse do Executivo Municipal;

VIII – coordenar a elaboração e a atualização periódica do Manual de Procedimentos de cada Diretoria Municipal;

IX – coordenar a gestão documental com o estabelecimento de normas e procedimentos técnicos referentes à produção, tramitação, classificação, avaliação, uso e arquivamento dos documentos durante todo o seu ciclo de vida (idade corrente, idade intermediária e idade permanente), com a definição de seus prazos de guarda e de sua destinação final, requisitos necessários, inclusive, para o desenvolvimento de sistemas informatizados de gestão de informações.

§ 7º A Diretoria de Gestão Integrada de Segurança Pública tem competência para executar as políticas e coordenar as ações voltadas às ações da Defesa Civil, Guarda Municipal e Segurança Pública:

I – no âmbito da Segurança Pública compete:

a) estabelecer diretrizes e prioridades para o Plano Municipal de Segurança e aos programas e ações integradas de segurança pública e urbana no Município envolvendo organismos municipais, estaduais, federais e da sociedade, inclusive e especialmente os de natureza preventiva;
b) coordenar no Município ações do Programa Nacional de Segurança Pública – PRONASCI e deliberar sobre os assuntos a ele pertinentes, observadas as competências e autonomias institucionais e os demais convênios bilaterais correlatos existentes;
c) sugerir obras e medidas de proteção com o objetivo de prevenir ocorrências graves;
d) promover campanhas educativas junto às comunidades e estimular o seu envolvimento.

II – no âmbito da Guarda Municipal compete:

a) proteger os bens, serviços, instalações do Município e o apoiar os segmentos da Administração e demais órgãos federais e estaduais de segurança pública;
b) orientar a comunidade local quanto ao direito de utilização dos bens e serviços públicos;
c) proteger o meio ambiente, o patrimônio histórico, cultural, ecológico e paisagístico do Município;
d) colaborar com as operações de defesa civil do Município;
e) prestar apoio à fiscalização municipal;
f) exercer a segurança dos eventos promovidos pela municipalidade, quando necessário;
g) coordenar o Gabinete de Gestão Integrada da Segurança Pública (GGI);
h) fiscalizar, organizar e orientar o tráfego de veículos fazendo cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito de atribuição do Município;
i) executar a fiscalização de trânsito, autuar e aplicar as penalidades administrativas, por infrações de circulação, estacionamento e paradas previstas na Lei Federal nº 9.503/97, Código Brasileiro de Trânsito – CTB;
j) aplicar as penalidades de advertência por escrito e multa, por infrações de circulação, estacionamento e paradas previstas na Lei Federal nº 9.503/97, notificando os infratores e arrecadando as multas que aplicar;
k) fiscalizar, autuar e aplicar as penalidades e medidas administrativas cabíveis relativas a infrações por excesso de peso, dimensões e lotação dos veículos, bem como notificar e arrecadar as multas que aplicar;
l) arrecadar valores provenientes de estada e remoção de veículos e objetos, e de escolta de veículos de cargas superdimensionadas ou perigosas;
m) operar sistema de estacionamento rotativo nas vias, com ou sem cobrança de taxas. (Redação dada pela Lei nº 4728/2014)

Art. 16 A Diretoria de Gestão Integrada de Segurança Pública é integrada pelas seguintes coordenadorias:

I (Revogado pela Lei nº 4728/2014)

II – Coordenadoria da Defesa Civil;

III (Revogado pela Lei nº 4728/2014)

IV (Revogado pela Lei nº 4728/2014)

§ 1º (Revogado pela Lei nº 4728/2014)

§ 2º À Coordenadoria de Defesa Civil compete:

I – estudar, definir e propor normas, planos e procedimentos que visem a prevenção, socorro e assistência da população e recuperação de áreas quando ameaçadas ou afetadas por fatores adversos;

II – elaborar e implementar planos diretores, planos de contingência e planos de operações de defesa civil, bem como projetos relacionados ao assunto; (Redação dada pela Lei nº 4800/2015)

III – articular-se com entidades públicas e privadas e com a comunidade visando à obtenção de cooperação para o desenvolvimento, direta ou indiretamente, de ações de prevenção e conscientização da população contra fenômenos que ponham em risco sua segurança e na defesa em casos de emergência e de calamidade pública.

IV – prover recursos orçamentários próprios necessários às ações relacionadas com a minimização de desastres e com o restabelecimento da situação de normalidade, para serem usados como contrapartida da transferência de recursos da União e do Estado de acordo com a legislação vigente; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

V – capacitar recursos humanos para as ações de defesa civil e promover o desenvolvimento de associações de voluntários, buscando articular ao máximo a atuação conjunta com as comunidades apoiadas; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

VI – promover a inclusão dos princípios de defesa civil nos currículos escolares da rede municipal, proporcionando apoio a comunidade docente no desenvolvimento de material didático-pedagógico para este fim; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

VII – vistoriar edificações e áreas de risco e promover ou articular a intervenção preventiva, o isolamento e a evacuação da população de áreas de risco intensificado e das edificações vulneráveis, mediante assessoramento técnico por profissional habilitado pertencente ao quadro de servidores municipais ou contratado por ela; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

VIII – implantar bancos de dados, elaborar mapas temáticos sobre ameaças múltiplas, vulnerabilidade e monitoramento do território, nível de risco e sobre os recursos relacionados com o equipamento do território e disponíveis para o apoio as operações; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

IX – analisar e recomendar a inclusão de áreas de risco no plano diretor; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

X – manter órgão estadual de defesa civil e secretaria nacional de defesa civil informados sobre a ocorrência de desastres e sobre atividades de defesa civil; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

XI – realizar exercícios simulados com a participação da população para treinamento das equipes e aperfeiçoamento dos planos de contingência; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

XII – proceder à avaliação de danos e prejuízos das áreas atingidas por desastres e o preenchimento do Formulário de Informações de Desastre (FIDE), e a Declaração Municipal de Atuação Emergencial (DMATE); (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

XIII – propor à autoridade competente a decretação de situação de emergência ou do estado de calamidade pública, de acordo com os critérios estabelecidos pelo COMPDEC; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

XIV – vistoriar, periodicamente, locais e instalações adequadas a abrigos temporários, disponibilizando as informações relevantes a população; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

XV – coordenar a coleta, a distribuição e o controle de suprimentos em situações de desastre; (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

XVI – implementar os comandos operacionais a serem utilizados como ferramenta gerencial para comandar, controlar e coordenar as ações emergências em circunstâncias de desastres. (Redação acrescida pela Lei nº 4800/2015)

§ 3º (Revogado pela Lei nº 4728/2014)

§ 4º (Revogado pela Lei nº 4728/2014)

 

Diretoria-Geral de Recursos Humanos – ramal 301
Responsável por coordenar, planejar, dirigir e supervisionar a execução das atividades de administração geral e rotineiras relativas a pessoal, como concursos, cadastro, lotação, folha de pagamento, férias, licenças, controlar a efetividade dos servidores, gerenciar o protocolo dos requerimentos relativos a pessoal, manter mecanismos de controle de despesas com pessoal, além de outras pertinentes à Diretoria.

Diretoria de Atendimento ao Cidadão – ramal 229
Responsável por assessorar, coordenar, organizar e orientar a execução das atividades relacionadas com o atendimento ao público, sobre assuntos relacionados com qualquer órgão da Prefeitura.

Diretoria de Atos Administrativos – ramal 225
Responsável por dirigir e supervisionar a execução dos atos administrativos e procedimentos de interesse da Administração, tais como projetos de leis, decretos, ordens de serviço e ofícios, bem como sua publicação, tramitação, arquivamento e disponibilização da legislação na Intranet, elaboração e gestão de convênios, centralização do atendimento das requisições de órgãos públicos, gerir o arquivo municipal, entre outras atividades relativas à Diretoria.

Diretoria de Gestão e Qualificação de Pessoas – ramal 356
Responsável por promover cursos de treinamento destinados à valorização e capacitação dos servidores públicos municipais, objetivando a preparação dos mesmos para situações que permitam novos padrões de qualidade, produtividade e economicidade; coordenar processos de estágio probatório, coordenar perícias e contratação de estagiários.

Diretoria de Tecnologia e Inclusão Digital – ramal 222
Responsável por coordenar as atividades de informática no âmbito do Município, que envolvem prospecção, aquisição, instalação, manutenção e atualização de sistemas, redes e equipamentos de informática, comunicação e outros dispositivos eletrônicos, armazenar a documentação dos sistemas, avaliar custos dos sistemas e equipamentos, elaborar e manter plano estratégico de atualização tecnológica.

Diretoria de Gestão Integrada de Segurança Pública – ramal 214
Responsável pelo estabelecimento de diretrizes e prioridades para o Plano Municipal de Segurança e aos programas e ações integradas de segurança pública, protegendo os bens, serviços, instalações do Município e apoiando os segmentos da Administração, bem como coordenar as ações voltadas a ações da Defesa Civil, planejando e definindo ações que visem a prevenção, socorro e assistência da população e recuperação de áreas quando ameaçadas ou afetadas por fatores adversos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on pinterest
Share on email
Share on print