.

Igreja Matriz São Domingos

A Igreja Matriz de São Domingos é também conhecida como Igreja Matriz de São Domingos das Torres, em referência a São Domingos, invocado quando da criação da capela, e às formações geológicas junto ao mar (falésias) denominadas de “Torres” em documentos da administração colonial e imperial. Foi construída a partir de 1819 e inaugurada em 24 de Outubro de 1824.

Erigida na Torre Norte (Morro do Farol), a igreja é um dos marcos do desenvolvimento da povoação. Apesar de a tradição local referir três “Torres” (a do Norte, a do Centro e a do Sul), outros conjuntos rochosos pertencentes ao mesmo grupo geológico compõem a excepcional paisagem local, que não passou despercebida aos olhos do naturalista Auguste de Saint-Hilaire. Em sua passagem pela região em 1820, o viajante francês observou o início da construção da igreja, da qual existia apenas o madeiramento, conforme registra. Neste período também se ultimava na Torre Norte a construção de um forte, junto ao qual o cronista distinguiu o alojamento dos soldados e do alferes do posto. Trabalhavam na construção do forte cerca de 30 soldados indígenas Guarani, feitos prisioneiros nas disputas entre o exército luso-brasileiro e José Artigas na Banda Oriental, os quais, possivelmente, contribuíram também para a edificação da igreja.

A instalação da Guarnição Militar no alto da Torre, sob o comando do Alferes Manoel Ferreira Porto, teve como consequência a vinda das primeiras famílias à região que, junto com o militar, foram os fundadores do povoado. Em 1826 este povoado seria elevado a Capela Curada de São Domingos das Torres. Neste período, Igreja e Estado estavam intimamente vinculados. No Brasil, sob administração portuguesa, o Estado conferiria valor e reconhecimento a um povoado somente depois do ingresso da Igreja, com a constituição de uma capela. Esta denominação designava o prédio onde se realizavam os ritos religiosos, mas também o local onde se instalavam as primeiras igrejas, criadas em consequência de novos núcleos populacionais. De modo geral, os povoados passavam por três fases: Capela, Freguesia e Vila, sendo que as duas primeiras equivaleriam, nos dias de hoje, aos “distritos” e a última ao “município”. A Capela Curada de São Domingos das Torres foi elevada à condição de Freguesia em 1837.
Se a Freguesia constituía-se ainda numa divisão administrativo-religiosa vinculada a uma paróquia onde se registravam nascimentos, batismos, casamentos e mortes, já o status de Vila implicaria uma maior autonomia político-administrativa, permitindo a instalação da câmara municipal, a construção do pelourinho e da cadeia. São Domingos das Torres foi alçada à categoria de Vila pela lei provincial nº 1152, de 21-05-1878, sendo mantido o nome inicial em dedicação ao padroeiro São Domingos e em referência às formações basálticas que compõem a paisagem da cidade. Em 22-01-1890, por meio do decreto estadual nº 62, a Vila é elevada à categoria de município e tem seu nome alterado para “Torres”, apenas. Esta mudança, com o passar do tempo, certamente veio a intervir na forma como a população local refere-se à Igreja, denominando-a por vezes apenas “São Domingos” ou “São Domingos de Torres”, em alusão ao nome da cidade onde está localizada.

A igreja foi inaugurada em 1824 e ampliada em 1857/58, quando passou por obras de manutenção. Em 1898 foi construída a torre, à esquerda da igreja, conforme inscrição em relevo existente ainda hoje. Em 1928 houve rebaixo no forro e escoramento das paredes. Passou por obras de restauração a partir de 2011, com recursos e contrapartidas provenientes de diversas fontes, que foram concluídas em abril de 2017.

Fonte: IPHAE.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email