Esquadrilha da Fumaça é presença confirmada neste Balonismo

Uma importante atração está prevista para o dia 30 de abril, domingo, às 14h30, dentro da programação do 29º Festival Internacional de Balonismo. A apresentação será única, gratuita, e deve atrair grande público no Parque do Balonismo Odilo Webber Rodrigues. Trata-se do show da Esquadrilha da Fumaça que leva o público ao delírio com suas manobras aéreas. A presença da Esquadrilha em Torres contará com a nova aeronave A-29 Super Tucano. Esta participação tem o apoio da Arcanjos Shows Aéreos.

Desde julho de 2015, a Esquadrilha da Fumaça retomou sua agenda de demonstrações aéreas com as aeronaves A-29 Super Tucano, após dois anos de implantação operacional e logística. O Super Tucano é a quinta aeronave adotada na história da instituição. Fabricado pela EMBRAER, o avião já era empregado pela Força Aérea Brasileira (FAB), cumprindo missões de defesa aérea, treinamento avançado, ataque leve, escolta, patrulha aérea de combate e formação de líderes da aviação de caça.

DEMONSTRAÇÃO AÉREA

Toda apresentação conta com sete pilotos em sete aeronaves. Cada posição de voo tem uma função específica, e as manobras são realizadas ora com os sete aviões, ora com quatro, ora com três e ora com um avião, o Isolado. Um oitavo piloto fica em solo realizando a locução. As missões também podem contar com avião de apoio para o transporte de equipe e material. A demonstração tem duração de 35 minutos e conta com cerca de 50 acrobacias.

A demonstração com o A-29 Super Tucano procurou seguir a sequência de manobras que eram realizadas com o avião anterior, o T-27 Tucano, fazendo as adequações necessárias devido ao fato de a aeronave ser mais potente e apresentar maior capacidade operacional.

A Fumaça também voltou a realizar duas manobras que não estavam mais sendo executadas pelo T-27: Lancevaque e Chumboide. As manobras consistem em uma combinação de comandos aplicados pelo piloto que provoca uma reação da aeronave que se assemelha a “cambalhotas no ar”. No caso do Lancevaque, os giros são mais verticalizados. Enquanto que o Chumboide tem o perfil mais horizontal. Para o público, traz a impressão de que o avião está descontrolado, mas o piloto tem total controle sobre a aeronave, podendo retornar ao voo normal a qualquer momento.

ESCRITA COM FUMAÇA

Outra novidade é a adoção da fumaça ecologicamente correta, baseada no conceito sustentável de não agredir o meio ambiente. O sistema de escrita com fumaça foi um projeto criado por técnicos da Fumaça para ser utilizado, inicialmente, na aeronave T-27 Tucano. Com base nessa ideia, a EMBRAER produziu, em coordenação com equipe de manutenção do EDA, um novo sistema de programação de escrita com fumaça criado especialmente para a aeronave A-29 Super Tucano, já utilizando a tecnologia padrão embarcada da própria aeronave.

Para isso, houve a instalação de um software no sistema – programa conhecido por “PROESA”, que significa “Programador de Escrita Aérea”. A frase, inserida neste software ainda em solo, produz coordenadamente a escrita no céu – método criado e desenvolvido pela própria equipe do EDA.

A fumaça sai entrecortada do avião, e as letras podem ser vistas por espectadores a uma altura de, aproximadamente, dez mil pés, o que corresponde a três mil metros. Com esse sistema, a Esquadrilha continua a realizar homenagens a datas festivas, eventos, cidades e personalidades, com o uso do seu novo sistema de programação de escrita com fumaça.

RECORDE MUNDIAL

Em 14 de maio de 1952, aconteceu a primeira demonstração oficial da Esquadrilha da Fumaça no Rio de Janeiro. Com a nobre missão de apresentar demonstrações aéreas por todo o Brasil e pelo mundo afora, a Esquadrilha divulga a imagem institucional da Força Aérea Brasileira (FAB). O Esquadrão de Demonstração Aérea – EDA (nome oficial) se localiza na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, no estado de São Paulo. Entre as suas atribuições está a de participar do processo de integração nacional, marcando a presença da FAB nos eventos realizados em todo o país.

A Esquadrilha da Fumaça já atingiu três recordes mundiais – “Guinness World Records”. O último recorde alcançado aconteceu em 2006, quando 12 aeronaves voaram de dorso (cabeça pra baixo) por 30 segundos, percorrendo três mil metros. O momento ocorreu na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga. No ano de 1996, a Esquadrilha bateu seu primeiro recorde, quando dez aeronaves fizeram o voo invertido por 30 segundos, uma marca então inédita. No ano de seu cinquentenário, 2002, o EDA atingiu mais um recorde com o voo invertido de onze aviões.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Leia também:

Acesso Rápido

Turismo

Gabinete e Procuradoria

Secretarias

Setores

Cidadão

Empresa

Servidor

Guias e Formulários

Previdência Social - RPPS

Transparência