Ilha dos Lobos

Com formação de origem vulcânica, a Ilha dos Lobos é a única ilha marítima do litoral gaúcho.

Localizada em frente às praias de Torres, é um refúgio de lobos e leões marinhos, que utilizam o lugar como descanso em suas rotas migratórias, bem como aves de várias espécies, inclusive oceânicas, além de tartarugas, peixes, algas, corais e mariscos.

A pesca e o desembarque na ilha são proibidos, no entanto a Instituição responsável não descarta uma possibilidade futura de desenvolvimento de turismo ecológico no local. Para tanto vem trabalhando na elaboração do Plano de Manejo que irá normatizar as possíveis atividades de turismo e lazer. Enquanto isso, a aproximação da ilha não pode exceder a uma distância de 500 metros. Ainda assim, as embarcações que respeitam o limite estabelecido conseguem apreciar as belezas da ilha e da fauna marinha que vive nela.

CRIAÇÃO: A Unidade de Conservação (UC) é gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, autarquia pública federal vinculada ao Ministério do Meio Ambiente. Ela foi criada em 1983 como Reserva Ecológica e até 2005 a Ilha dos Lobos era a menor Unidade de Conservação do Brasil. Quando sua categoria foi alterada de Reserva Ecológica para Refúgio de Vida Silvestre, a Ilha teve sua área de proteção ampliada, que inclui a ilha em si e mais 500m para cada um dos lados deixando de ser a menor UC do país.

LOCALIZAÇÃO: O Refúgio está situado a cerca de 1,8km da praia de Torres, tem uma área total de 142ha e profundidade média de 15 a 20m.

OBJETIVO: O Refúgio de Vida Silvestre é uma área que visa proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória. De acordo com o seu decreto de 04 de julho de 2005 o Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos tem como objetivo preservar os ecossistemas naturais existentes, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades controladas de educação ambiental, recreação e turismo ecológico.

CURIOSIDADES: A Ilha dos Lobos é a única ilha na costa gaúcha; existem registros de lobos e leões-marinhos na ilha que datam de 1797; apesar de receber o nome de ilha dos lobos os animais que mais frequentam a ilha são os leões-marinhos; em 1960 o navio cargueiro chamado Avaí se chocou com a Ilha dos Lobos, naufragando no local e os destroços do navio ficaram sobre a ilha por cerca de 25 anos; a ilha tem formação vulcânica, das mesmas lavas que formaram os Morros das Furnas, da Guarita, Torres Sul e Morro do Farol; de acordo com dados de monitoramento, o número máximo de leões-marinhos registrados ocupando a ilha foi de 156 (Nema, 2014) e o de lobos-marinhos foi de 136 animais (ICMBio, 2019); a presença de Baleias Francas no entorno da ilha é registrada todos os anos, principalmente nos meses de julho a outubro quando os animais tem maior ocorrência no litoral do RS.

FAUNA LOCAL: Os principais animais que frequentam a ilha são os pinípedes (focas, lobos e leões-marinhos) especialmente o leão-marinho-do-sul (Otaria flavescens) e o lobo-marinho-do-sul (Arctocephalus australis). A maior concentração destes animais na ilha ocorre no período de inverno, e o local é utilizado por eles para descanso e alimentação. Os animais são provenientes das colônias reprodutivas no Uruguai e se deslocam todos os anos até o litoral do RS. Para o leão-marinho-do-sul, a Ilha dos Lobos é o seu ponto mais ao Norte de ocorrência na costa brasileira. Além dos pinípedes, a ilha também abriga uma diversidade de aves marinhas e costeiras. Um levantamento prévio já identificou 27 espécies de aves na ilha e no seu entorno, inclusive espécies ameaçadas de extinção segundo o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do ICMBio, como o trinta-réis-de-bico-vermelho (Sterna hirundinacea) e o trinta-réis-real (Thalasseus maximus). Além das aves, algumas das espécies de peixes que ocorrem no local também encontram-se ameaçadas de extinção como o burriquete ou miraguaia (Pogonias cromis), a garoupa (Epinephelus marginatus), o bagre-branco (Genidens barbus) e o cação-mangona (Carcharias taurus).”.

PROGRAMA DE MONITORAMENTO: O REVIS Ilha dos Lobos realiza o monitoramento dos lobos e leões-marinhos que venham a aparecer na praia e tem um projeto de marcação destes animais. O monitoramento é feito por uma equipe técnica especializada e essa marcação visa identificar os animais em futuros reaparecimentos na praia, na ilha ou em suas colônias de reprodução. Além do projeto de marcação a equipe também presta esclarecimentos a população acerca dos animais. Para isso, a equipe do REVIS pede que as pessoas entrem em contato caso encontrem um animal destes na praia, pelo telefone/ WhatsApp 3664-4874 ou pela página do Facebook (facebook/revisilhadoslobos) e Instagram (@revisilhadoslobos).

Mais informações no site: https://www.icmbio.gov.br/revisilhadoslobos/

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email
Skip to content