Ilha dos lobos

CRIAÇÃO: A Unidade de Conservação (UC) é gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, autarquia pública federal vinculada ao Ministério do Meio Ambiente. Ela foi criada em 1983 como Reserva Ecológica e em 2005 foi recategorizada como Refúgio de Vida Silvestre Ilha dos Lobos (REVIS Ilha dos Lobos). Ela é uma UC de proteção integral e possui uma área de 142ha que inclui a ilha em si e mais 500m para cada um dos lados. Não é permitido pescar nem desembarcar na ilha. Mas é possível o desenvolvimento de turismo ecológico.

LOCALIZAÇÃO: O Refúgio está situado a cerca de 1,8km da praia de Torres, tem uma área total de 142ha e profundidade média de 15 a 20m.

OBJETIVO: O Refúgio de Vida Silvestre é uma área que visa proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória. De acordo com o seu decreto de 04 de julho de 2005 o Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos tem como objetivo preservar os ecossistemas naturais existentes, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades controladas de educação ambiental, recreação e turismo ecológico.

CURIOSIDADES: A Ilha dos Lobos é a única ilha na costa gaúcha; existem registros de lobos e leões-marinhos na ilha que datam de 1797; apesar de receber o nome de ilha dos lobos os animais que mais frequentam a ilha são os leões-marinhos; em 1960 o navio cargueiro chamado Avaí se chocou com a Ilha dos Lobos, naufragando no local os destroços do navio ficaram sobre a ilha por cerca de 25 anos; a ilha tem formação vulcânica, das mesmas lavas que formaram os Morros das Furnas, da Guarita, Torres Sul e Morro do Farol; de acordo com dados de mais de 20 anos de monitoramento do Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (NEMA), o número máximo de leões-marinhos registrados ocupando a ilha foi de 156 e o de lobos-marinhos foi de 17 animais; a presença de Baleias Francas no entorno da ilha é registrada todos os anos, principalmente nos meses de julho a outubro quando os animais tem maior ocorrência no litoral do RS.

FAUNA LOCAL: Os principais animais que frequentam a ilha são os pinípedes (focas, lobos e leões-marinhos) especialmente o leão-marinho-do-sul (Otaria flavescens) e o lobo-marinho-do-sul (Arctocephalus australis). A maior concentração destes animais na ilha ocorre no período de inverno, e o local é utilizado por eles para descanso e alimentação. Os animais são provenientes das colônias reprodutivas no Uruguai e se deslocam todos os anos até o litoral do RS. Para o leão-marinho-do-sul, a Ilha dos Lobos é o seu ponto mais ao Norte de ocorrência na costa brasileira. Além dos pinípedes, a ilha também abriga uma grande diversidade de aves marinhas e costeiras. Um levantamento prévio já identificou 27 espécies de aves na ilha e no seu entorno, inclusive espécies ameaçadas de extinção como o trinta-réis-de-bando (Thalasseus acuflavidus) e o trinta-réis-real (Thalasseus maximus). Outra espécie que ocorre na ilha, e que também está ameaçada de extinção, é a garoupa.

PROGRAMA DE MONITORAMENTO: O REVIS Ilha dos Lobos realiza o monitoramento dos lobos e leões-marinhos que venham a aparecer na praia e tem um projeto de marcação destes animais. O monitoramento é feito por uma equipe técnica especializada e essa marcação visa identificar os animais em futuros reaparecimentos na praia, na ilha ou em suas colônias de reprodução. Além do projeto de marcação a equipe também presta esclarecimentos a população acerca dos animais. Para isso, a equipe do REVIS pede que as pessoas entrem em contato caso encontrem um animal destes na praia, pelo telefone 3664-4874 ou pela página do Facebook (facebook/revisilhadoslobos).